Arquitetura Residencial: Ambientes integrados conferem fluidez e amplitude a apartamentos

Na década de 70, em Nova Iorque (EUA), os lofts revolucionaram a arquitetura ao abolir as divisões entre cômodos e criar amplos espaços integrados. Na época, o conceito só se aplicava a antigos galpões adaptados para serem usados como residências, mas hoje é cada vez mais comum que apartamentos tenham as paredes derrubadas para ampliar o espaço útil do imóvel.

Esse tipo de planta deixa o ambiente mais fluido e amplo, especialmente se o mobiliário for usado para organizar o espaço e dividir a área.

Outra boa opção é transformar tudo em uma grande sala: se  o espaço disponível for limitado, como em um apartamento pequeno, o ideal é investir em um sofá grande e poucos móveis. Assim, o cômodo não fica muito cheio e atravancado.

Também é possível optar por móveis multifuncionais, como uma mesa de centro que tenha prateleiras ou que encaixe cadeirinhas ou pufes. Uma decoração em cores claras e neutras ajudam a ampliar ainda mais o ambiente.

Vale lembrar, entretanto, que os ambientes integrados têm como desvantagem a perda de privacidade e, no caso da cozinha, o risco de deixar a casa inteira cheirando a fritura.

Por isso, sempre avalie muito bem suas opções antes de sair derrubando paredes, e não deixe de consultar uma arquiteta.

Dúvidas sobre obras e reformas? Consulte-me:
Luiza Burkinski – Arquiteta
arquitetura@luizaburkinski.com.br
Fones: (11) 2768-7886 / (11) 99379-7886 / (11) 7741-9361

Crédito da imagem: Reprodução/Internet

ambientes_integrados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.